sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

VIDA NA TRAGÉDIA


No início do ano de 2010, notícias de tragédias e catástrofes naturais nos têm deixados por alguns estantes desesperançosos, e por maior que seja nossa fé e confiança em Deus, a tristeza e as perguntas surgem. Porque isso? Porque aquilo?


Aqui em nosso país o ano começou com a tragédia em Angra dos Reis, São Paulo, e Rio Grande do Sul, nossa nação foi bombardeada com essas catástrofes.

Recentemente o mundo fui impactado com a triste notícia dos acontecimentos no Haiti, no dia 12.01um terremoto de 7 graus na escala Richter aconteceu às 19h53 (Brasília) e teve epicentro a 15 quilômetros da capital haitiana, Porto Príncipe. Mais de 1,5 milhão de haitianos ficaram desabrigados pelo terremoto que atingiu o país caribenho e devastou sua capital Porto Príncipe,a ONU afirma que o total de vítimas fatais do desastre no Haiti jamais será conhecido, o próprio governo haitiano só possui suposições, que vão de 100 mil a 150 mil.

Essas más notícias geram em muitos corações o desespero e a frustração, mas na noite de terça-feira (19.01) um menino de apenas 8 anos emocionou os bombeiros,e todo o mundo, o garoto foi resgatado após passar oito dias soterrado sob um prédio.

Ao ser retirado dos escombros, ele comemorou, erguendo os braços e sorrindo.


A atitude desse menino que até o presente momento a imprensa não divulgou seu nome nos faz pensar sobre a força da vida.

Ainda vale apena viver e acreditar na sua essência.

Esse garoto haitiano, sem perceber mostrou ao mundo o que é lutar.

Lutar não é apenas estar em uma batalha, mas principalmente nunca desistir de viver, ainda que com dificuldade, mas temos que viver.

Há muitos que foram soterrados não por um terremoto sísmico, mas por adversidades e tempestades que por muitas vezes a vida nos proporciona.

Mas é nesses momentos que é importante agir como esse menino. Sorrir,quando se deveria chorar,acreditar, quando não há mais esperança,e abrir os braços dizendo:

Eu vou vencer!

Apesar das tragédias, Deus sempre tem um milagre a nossa espera.

Deus nos abençoe

Simplesmente Anderson Bravo

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

CHOREI A MORTE DO MEU CACHORRO


Hoje (12/01) pela manhã Edijane me acorda dizendo:


- Filho Sultão morreu!

Ao levantar fui ao quintal e vi a cena; Sultão era o nosso cachorro, sim um belo pastor-belga, que nos acompanhava há 11 anos, esse singelo animal conseguiu ao longo dos anos fazer o que alguns seres humanos ainda não conseguiram fazer.

Quando Sultão chegou em nossa vida,Edijane estava grávida de Anderson Filho,e ao longos dos anos ele participou de momentos bons e maus de nossas vidas.Lembro-me dos momentos de dificuldade financeira onde não tínhamos condições de comprar a ração do Sultão e ele simplesmente fica quieto,nunca reclamou,apenas vivenciava todos os momentos da família.

Não há como esquecer dos momentos em que víamos Anderson Filho transformando o cachorro em seu pônei,e Sultão deixava tudo acontecer.

Muitos são as lembranças desse animal.

E no momento em que vi a cena de um simples animal morto, fui surpreendido com lágrimas, é, chorei por meu cachorro.

Chorei, pois esse animal consegue ser o que alguns humanos esquecem de ser: amigos,companheiros,obedientes e dispostos a estar ao seu lado independente do que você tem para oferecê-lo.

Creio que o próprio Deus criou esses seres para estar ao nosso lado, ouso dizer que o pecado mudou o homem, mas não contaminou os animais, eles sempre existiram para essa função serem companhias agradáveis para os homens.

A morte de Sultão deixa-nos um simples, mas importante ensinamento: que possamos valorizar as pequenas coisas, pois nelas estão as grandes maravilhas de estar aqui nessa terra.

Deus vos abençoe

Simplesmente Anderson Bravo

2014 "o Que Deus tem ninguém tem; e o que Deus tem vem para minha mão"

2014 "o Que Deus tem ninguém tem; e o que Deus tem vem para minha mão"

Anderson & Lyon

Anderson & Lyon